O co-fundador do Lollapalooza acredita que apresentações ao vivo de música só vão retornar ao patamar de antes da pandemia em 2022. Em entrevista ao podcast “Bob Lefsetz”, Marc Geiger afirmou que eventos “de alta possibilidade de contágio”, como musicais e de esportes, continuarão a ser afetados até que a pandemia do novo coronavírus seja plenamente sob controle. “Na minha humilde opinião, só acontecerá em 2022.”

“Vai levar tudo isso de tempo para que o que eu chamo de economia germofóbica seja morta e substituída por uma economia claustrofóbica – que é quando as pessoas querem sair, ir para restaurantes, retomar a vida e ir para festivais e shows. É o meu instinto, que vai demorar um tempo porque eventos de alto contágio – esportes, shows, festivais… não vão ter bons resultados enquanto o vírus estiver presente”, disse Geiger.

Geiger avaliou que há ao menos 20 obstáculos que o pessoal de música ao vivo ainda precisa superar antes de começar a pensar em retornar, como espaçamento, capacidade de público e apólices de seguro que protejam toda a indústria. “Os próximo seis meses podem ser piores do que os últimos, e até os seis meses após.”