A corrida mundial pela vacina contra a Covid-19 ganhou mais um resultado positivo. Em artigo publicado pela revista especializada The Lancet, o composto da CanSino Biologics, farmacêutica chinesa, foi considerado seguro, além de ter conseguido induzir resposta imunológica entre os voluntários que participaram do teste. No entanto, vale destacar que as pessoas ainda não foram expostas ao novo coronavírus para comprovar a eficácia da vacina – e isto será avaliado nas próximas fases da pesquisa conduzida em Wuhan.

Nesta segunda-feira (20), também foram divulgados estudos promissores com a vacina da Universidade de Oxford, no Reino Unido. Ela foi dada como segura e capaz de induzir resposta imunológica. Ela foi testada em um grande ensaio humano em estágio inicial. A dose levou os voluntários a produzir anticorpos e glóbulos brancos que podem combater o coronavírus, mas ainda é cedo para saber se isso é suficiente.

As farmacêuticas Pfizer e BioNTech confirmaram resultados positivos nos estudos alemães da profilaxia, a terceira vacina promissora contra a infecção causada pelo novo coronavírus. Segundo as farmacêuticas, foram verificadas respostas imunes “fortes” e em velocidade anterior ao prazo estimado das chamadas células T, consideradas fundamentais para protegerem um organismo do novo coronavírus.