O Campeonato Paulista será retomado nesta quarta-feira (22) após quatro meses de paralisação devido à pandemia da Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. Os clubes terão de seguir uma série de regras, que inclui isolamento, testes rotineiros para detectar jogadores infectados e até restrição no número de pessoas que poderão entrar nos estádios. No entendimento de Reinaldo Carneiro Bastos, presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF), volta do Estadual é uma mistura de sensações, que inclui preocupação e tensão com todas as partes envolvidas nas partidas.

“É uma mistura de alívio, preocupação e tensão, mas estou otimista. O trabalho desenvolvido pela comissão médica da federação, os médicos dos clubes e os executivos nos dá condição de sermos otimistas. Estamos vivendo um momento muito difícil, não só no futebol, mas no mundo de uma maneira geral. Mas, fizemos um trabalho correto e coerente”, disse o mandatário, em entrevista ao Estadão. “Não queremos que haja relaxamento nos procedimentos. Em todos os itens, como isolamento, quantidade de testes, número de pessoas nos estádios, todas as providências precisam ser seguidas à risca para que a gente tenha sucesso até o fim do campeonato”, continuou.

As partidas serão disputadas sem torcedores e em municípios que a situação da pandemia estiver controlada. Por isso, apenas a Grande São Paulo e Santos receberão jogos. Os protocolos definidos pela Federação Paulista de Futebol (FPF) foram inspirados nos modelos alemão, espanhol, inglês e americano, de acordo com Reinaldo Carneiro Bastos. “O Mauro Silva (ex-jogador, vice-presidente da FPF) trouxe o protocolo do Campeonato Espanhol. O Edu Gaspar (gerente do Arsenal) nos mostrou a experiência da Inglaterra. O Thiago Scuro (diretor executivo do Red Bull Bragantino) fez o mesmo em relação aos protocolos da Alemanha. Também olhamos o modelo dos Estados Unidos, que levou todos os times para um complexo da Disney. Pegamos um pouco de cada coisa. Usamos experiências bem sucedidas do exterior e adaptamos à realidade do Estado de São Paulo”, revelou.

Por isso, o presidente da entidade também classificou o projeto elaborado pela FPF como o mais audacioso do país. “Os trabalhadores do futebol em São Paulo, todos os envolvidos, não só atletas, mas também comissão técnica, árbitros, gandulas, maqueiros, têm o projeto mais audacioso de saúde e segurança do País. Nenhum outro trabalhador de outra área tem tantos cuidados com saúde e higienização. Tudo isso custa alto, mas todos nós estávamos conscientes de que era o caminho a ser seguido”, cravou.

O Campeonato Paulista será reiniciado na 11ª rodada, a penúltima da fase de grupos. O torneio tem a sua segunda final agendada para o dia 8 de agosto.