O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que o fechamento de mais consulados da China no país “é possível”, ao ser questionado sobre o assunto na coletiva diária da Casa Branca sobre a pandemia da Covid-19. Nesta quarta-feira, 22, o governo norte-americano ordenou o fechamento do consulado do país asiático em Houston, no Texas. Pequim prometeu retaliações.

Mais cedo, o editor-chefe do jornal estatal chinês Global Times, Hu Xijin, escreveu em sua conta oficial no Twitter que o fechamento do consulado dos EUA em Wuhan seria um preço baixo a ser pago pelos americanos. Ele aposta em uma resposta mais “inesperada” da China. Já a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Hua Chunying, disse que a embaixada do país asiático em Washington recebeu ameaças de bombas e de morte hoje. Pelo Twitter, ela culpou o governo norte-americano. “Como resultado do ódio incitado pelo governo dos Estados Unidos, a embaixada chinesa recebeu ameaças de bombas e de morte”, afirmou.

O governo dos Estados Unidos acusa hackers chineses de tentarem roubar informações sobre o desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19 e, por isso, determinou o fechamento do consulado em Houston. A medida, segundo anúncio feito pelo Departamento de Estado americano nesta quarta-feira, visa”proteger a propriedade intelectual americana e as informações privadas dos americanos”.

Em outras frentes da tensão geopolítica entre a China e o Ocidente, o Comitê de Segurança Interna do Senado americano aprovou uma resolução que proíbe o uso do aplicativo chinês TikTok em dispositivos do governo. Além disso, a França informou que não renovará licenças de equipamentos 5G da Huawei, e o ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, Dominic Raab, se disse “profundamente preocupado” com supostos ataques cibernéticos da China.

* Com informações do Estadão Conteúdo