O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, afirma que não há previsão de volta às aulas presenciais nas escolas municipais neste ano. Em entrevista exclusiva à Jovem Pan, Covas explicou que o retorno dos alunos às salas de aula aumenta a possibilidade de transmissão do coronavírus em toda população. “Nós estamos falando de praticamente um milhão de alunos apenas na rede municipal, fora aqueles que estão na rede estadual e nas escolas privadas. Eu entendo a angústia e aflição que os pais estão vivendo com crianças de seis, sete anos em casa. Só que a preocupação central é com a vida das pessoas, então quando a gente tiver total tranquilidade de que é o momento vamos retornar às aulas.”

Covas estimou que, nessa pandemia, a cidade de São Paulo deixou de arrecadar R$ 9 bilhões. “Só a prefeitura vai perder R$ 9 bilhões de arrecadação, o que significa cerca de 15% do orçamento inicial e isso já dá uma visão do que isso deve ser a perda para a economia como um todo na cidade. Eu acho que talvez leve uns cinco ou seis anos para alguns setores voltarem ao que tinham anteriormente.”

Bruno Covas, que é candidato do Partido da Social Democracia Brasileira à reeleição para Prefeitura, disse que ainda não definiu quem vai ser o vice dele na chapa eleitoral. O prefeito não acredita que terá a imagem manchada nas eleições municipais pelas recentes suspeitas de corrupção envolvendo o senador José Serra e o ex-governador Geraldo Alckmin, ambos do PSDB. O prefeito criticou o presidente Jair Bolsonaro e ressaltou que não se arrepende de ter anulado o voto nas eleições presidenciais de 2018.

Em tratamento contra o câncer no sistema digestivo e nos linfonodos, o prefeito disse que o turmo regrediu e que ele pode passar por uma cirurgia nos próximos meses. Covas também relatou que ficou angustiado com o diagnóstico de Covid-19 enquanto tratava o câncer. No entanto, o prefeito disse não ter manifestado nenhum sintoma da doença.

*Com informações do repórter Leonardo Martins