A China exigiu nesta sexta-feira (24) que os Estados Unidos fechem seu consulado na cidade de Chengdu, no sudoeste do país asiático. A atitude é entendida como uma represália à recente ordem de fechamento do consulado chinês na cidade de Houston, Texas. “Essa contramedida tomada pela China é uma resposta legítima e necessária à ação injustificada dos Estados Unidos para fechar nosso consulado em Houston. O relacionamento entre os dois países não é o que a China gostaria, mas Washington é responsável por isso”, anunciou o Ministério das Relações Exteriores do país em um comunicado.

O fechamento do consulado chinês em Houston, imposto pelos EUA, aconteceu em meio a novas acusações de espionagem, uma das ações mais agressivas que Washington tomou desde que estabeleceu relações diplomáticas com Pequim em 1979. Segundo a Chancelaria chinesa, sua resposta está “em conformidade com o direito internacional, as regras básicas que governam as relações internacionais e as práticas diplomáticas”, uma vez que, a seu ver, a ação empreendida por Washington quebrou todas estas regras.

Como consequência, o Ministério informou a Embaixada americana, da decisão de revogar o consentimento para o estabelecimento e implementação do Consulado dos EUA em Chengdu, capital da província de Sichuan, “e exigiu a cessação de todas as suas operações e eventos”. “Pedimos novamente aos Estados Unidos que retirem sua decisão errônea e criem as condições necessárias para retornar as relações ao caminho da normalidade”, acrescentou o comunicado. Na quinta-feira, o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, rebateu a acusação norte-americana de roubo de informações e afirmou que “o fechamento do consulado é uma medida completamente injustificada, e a China se reserva ao direito de retaliar”, já indicando possível movimento contrário do país, confirmado com o pedido de retirada do consulado americano.

*Com informações da EFE