Bárbara Paz falou que se identifica como uma pessoa não-binária e, aos 46 anos, lamentou o fato de não ter mais informações sobre identidade de gênero quando era adolescente. Relembrando sua trajetória, Bárbara contou em que momento da sua vida passou a se reconectar com ela mesma. “Eu engoli muito preconceito, muito machismo, que a gente sabe que toda mulher sofre. A gente foi massacrada em muitos lugares e a gente aprendeu que era assim, então era difícil eu perceber que isso estava errado. Hoje, eu estou tendo consciência disso. Quando eu cortei meu cabelo curto, tirei meu loiro e cortei os meus cachos para fazer um espetáculo, tudo mudou na minha vida, porque eu voltei a ser eu, a ser só eu, sem personagem, e isso fez toda a diferença”, contou durante participação no podcast “Almasculina”. Bárbara acrescentou que sente que está cada vez mais se voltando para si mesma e brincou dizendo que espera que esse processo seja rápido, pois está envelhecendo.

Identificando-se por vezes com gênero masculino e por outras com o feminino, Bárbara afirmou que existem muitas razões que a levam a se sentir assim. “Tem muitos homens que habitam dentro de mim. Quando eu ouço esse discurso do não-binário, do transgênero, eu penso: ‘Será que se eu estivesse escutado isso com 12, 13 anos, eu teria achado que eu era pelo fato de eu sentir isso?’. Não estou falando de sexualidade é de sensação física. Às vezes, eu me sentia um garoto, mas eu me olho no espelho e eu sou uma mulher com peito, bunda, curvas. É super estranho. Não é que eu não gosto [do meu corpo], é estranho às vezes, mas às vezes eu gosto. Eu gosto de ser menina e gosto de ser menino. Pode? Pode! Hoje pode, isso se chama não-binário e está tudo certo eu falar isso, não está errado”, declarou. Bárbara ainda enfatizou que isso não tem relação com a sua orientação sexual. “Não tem a ver com sexualidade, se eu gosto de mulher ou se eu gosto de homem, eu gosto de pessoa. Até agora, eu me apaixonei por homens, mas sinto que na minha vida eu me apaixono por pessoas”, finalizou. Recentemente, Demi Lovato se assumiu como uma pessoa não-binária e disse que passaria a usar pronomes de tratamento neutros.