A ex-BBB Íris Stefanelli, que participou da atual edição de “No Limite”, resolver desabafar sobre a polêmica que se envolveu no reality de sobrevivência com Ariadna Arantes. Durante sua participação na atração apresentada por André Marques, a empresária foi criticada por dizer que a Ariadna, primeira mulher transexual a participar do “BBB”, que ela tinha a opção de não se prostituir. A modelo tentou explicar para sua parceira de equipe que ela era privilegiada por ser uma mulher cis, branca, loira e dos olhos verdes. Nesta segunda-feira, 7, Íris falou do assunto pela primeira vez e comparou as críticas que recebeu aos ataques feitos a Luísa Sonza após a morte do filho de Whindersson Nunes e Maria Lina. “Todo mundo fala: ‘Íris, passa um pano nisso, deixa passar batido’. Mas, gente, eu não estou aguentando porque está me fazendo mal. Se eu falo para uma pessoa que ela não tem opção de vida, que ela tem que se prostituir, o que o Brasil ia falar para mim? Como você fala que uma pessoa não tem opção? Quem você acha que é?”, falou a participante do “BBB 7”.

As atitudes de Íris foram vistas como transfóbicas por muitos telespectadores e, segundo ela, a repercussão negativa do assunto teve consequências sérias. “Essa história me fez um estrago na minha família”, afirmou. “As pessoas que são atacadas na internet sofrem problemas seríssimos como depressão e [podem cometer] suicídio. Isso é muito sério! Meu irmão é dependente químico, tinha sete meses, contados os dias, que ele estava limpo e ia sair da clínica, depois dessa injustiça que ele viu que eu passei com essa história, ele ficou tão transtornado, que ele recaiu”, disse a empresária, que contou que estava tocando no assunto mesmo sem a autorização da sua mãe, que não gosta que ela exponha o irmão nas redes sociais. Para a ex-BBB, ela também seria criticada se tivesse concordado com Ariadna que a única opção dela foi a prostituição. “Se eu falo que a pessoa não tinha opção, eu ia apanhar igual cachorro do Brasil. Aí eu falei que tem opção, tem saída, sempre vai ter e que você tem que acreditar em Deus e, mesmo assim, tomei pancada. Injustiça das grandes, mas eu aguentei calada porque eu já tenho um trabalho maravilhoso.”

O rótulo de preconceituosa foi algo que incomodou Íris, pois ela disse que acredita que o amor é o que move o mundo. Na visão da empresária, ela está sendo julgada por ser loira e bonita, mas ela disse desde muito nova trabalhou duro para conseguir o que tem. “Em uma conversa produtiva que eu tive com a Ari, ela me disse que foi muito feliz, que ela conheceu 40 países e tem uma cultura boa. Eu não consegui conhecer países. Minha história é de luta, trabalho. Sempre fui pobre.” A participante do “BBB 7” também criticou o fato de Angélica, com quem teve atritos em “No Limite”, ter comentado sobre esse assunto no “Encontro”. “Eu chorava de desespero. Achei sacanagem ela pegar o gancho da Ariadna lá no programa [da Fátima Bernardes] para me dar uma ‘cassetada’ e para eu receber mais ‘cassetada’ dos outros. Achei uma covardia. Loira, pobre e não vem que não tive privilégio coisa nenhuma. Trabalho para os outros desde os meus 12 anos de idade”, finalizou.