O ator Johnny Depp tentou contestar a decisão da Suprema Corte americana, que concluiu que ele agrediu sua ex-mulher, Amber Heard. A briga na Justiça começou no ano passado, quando o astro de Hollywood perdeu um processo em que acusou o editor do jornal britânico The Sun de difamação por causa de uma reportagem em que foi rotulado como “espancador de mulheres”. Johnny entrou com um recurso no Tribunal Superior para contestar essa decisão, mas, segundo divulgado pela BBC, o pedido do ator foi negado na última quinta-feira, 24, pois o juiz entendeu que o recurso “não tinha perspectivas reais de sucesso”.

A polêmica reportagem do The Sun foi publicada em abril de 2018 e teve repercussão mundial. O protagonista de “Piratas do Caribe” processou o responsável pela publicação que o acusa de ter sido violento com Amber. O jornal, no entanto, afirmou que as informações da reportagem eram verdadeiras. Johnny entrou com um processo e, após um julgamento de três semanas, o juiz Andrew Nicol concluiu que a publicação do The Sun não é difamatória, mas “substancialmente verdadeira”. Para o juiz, o ator, de 57 anos, agrediu Amber, de 34 anos, em várias ocasiões e a fez “temer por sua vida” três vezes. Em meio à polêmica, o ator foi retirado da franquia “Animais Fantásticos” e será substituído no próximo filme.